08 out 2015

 

Imagem: http://gshow.globo.com/

Imagem: http://gshow.globo.com/

Vários preparativos para a chegada do bebê. Além de tudo o que você teve que pensar e organizar até aqui, agora precisa se planejar com o andamento casa quando ele nascer. Isso mesmo. O andamento da casa.

Falo isso porque normalmente no primeiro mês, você recebe UM MONTE de visitas de família (os amigos que têm bom senso esperam um pouco mais. Mas os mais chegados são liberados!), você mal tem tempo de tomar banho (quanto mais de arrumar a casa) e além de tudo, precisa cuidar e amamentar o bebê.

A boa notícia é que se você se organizar com antecedência, vai conseguir dar conta de tudo!

Muitas pessoas falam: Descanse enquanto o bebê dorme. Mas às vezes na prática, não é assim que acontece. Você acaba se envolvendo com algumas coisas da casa e não consegue descansar.

Eu tive ajuda da minha mãe e da minha sogra nos primeiros 15 dias quando a pequena nasceu. Meu marido me ajudava às vezes de madrugada, porque ele trabalhava no dia seguinte. Eu ainda tinha uma ajudante que dava conta da comida, da roupa e da limpeza da casa. E ainda me ajuda a cuidar da pequena para eu tomar um banho!

Tem gente que nem isso tem! Gente que literalmente se vira nos 30! Rs!

Então, vou listar aqui algumas orientações que podem te ajudar nos primeiros dias com a chegada do bebê:

 

  • Dividir as tarefas

A gente brincava aqui em casa: Mulher fica em casa cuidando dos filhos e o marido sai para caçar. Então, de final de semana, ele saia para fazer supermercado (é ótimo nisso!) e comprar eventualmente alguma coisa que faltasse.

Eu ficava em casa cuidando da baixinha. A rotina era tão intensa que nem percebia o tempo passar. Eu ficava literalmente na função de cuidar, amamentar, dar banho e fazer dormir.

 

  • As madrugadas

O marido até quis ajudar nas madrugadas. Mas era complicado para ele, que tinha que acordar cedo para trabalhar. Eu poderia eventualmente tirar um cochilo entre algum soninho da pequena, e ele não. Então, preferia que ele me ajudasse no final de semana (que eu descansasse mais) e eu tocava a madrugada. Com 2 meses a pequena já dormia a noite toda. Criamos um ritual de sono com ela desde o primeiro dia em que chegou em casa. Ela tomava banho às 20h, mamava, trocava de fralda, e dormia. As luzes eram mais baixas durante esse processo e eu procurava não agitá-la muito. Também não acordava para dar de mamar de madrugada. Se ela acordasse, eu amamentava. Só a acordava durante o dia (principalmente no primeiro mês) para as mamadas e nisso, deixava o quarto claro, com as janelas abertas. Era a minha tentativa de demostrar a diferença entre dia e noite. Enfim, certo ou não, sei que funcionou.

 

 

  • Com ou sem ajudante em casa

Como eu falei, em um mundo maravilhoso, você pode contar com uma ajudante. Ela pode te ajudar a cuidar da comida, da limpeza da casa, das roupas e eventualmente dar uma mãozinha com o baby.

Se não é o seu caso, recomendo muito para você:

  • Fazer um pequeno estoque de comida em casa, suficiente pelo menos para 15 dias. Inclua coisas que você possa servir para as visitas, como bolachinhas e petiscos. No final de semana, procure aquelas lojas que vendem bolos caseiros prontos. Nada mais agradável que servir um bolo com café a tarde para uma visita. E você nem terá o trabalho de lavar a assadeira.
  • Tenha um pequeno estoque também de coisas básicas de higiene em casa: papel higiênico, shampoo, pasta de dente, sabonete, etc.
  • Antes do baby nascer, contrate alguém ou se preferir, faça você mesma algumas refeições para congelar.
  • Se o marido usa roupas sociais para trabalhar, invista na lavanderia. Vários lugares pegam e devolvem a roupa na sua casa. Você nem precisa sair de casa.
  • Contrate uma empresa de limpeza residencial. Eles oferecem serviço por dia, e a limpeza dura uma semana.

Parece besteira pensar em estoque de coisas em casa, mas pense que no final de semana, com a ajuda do marido para cuidar do bebê, provavelmente você não vai querer ficar saindo para fazer compras, e sim, dando uma geral na casa e nas roupas.

 

Uma coisinha que faltou: CALMA! Relaxa que o primeiro mês sua vida vai mudar de ponta cabeça. Suas rotinas acabaram. Mas pense que é por um bom motivo.

Tudo melhora com o tempo!

Espero que tenham gostado das dicas!

 

escrito por Carol Baldin
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: , , ,
02 jul 2015

nome do nenemTem mulher que já nasce e fala: Eu vou casar com 26 anos e ter um filho chamado João.

Bato palmas para pessoas assim. Nunca consegui ter um plano desse na vida. Pelo contrário. Ao invés de falar isso, falava que eu queria fazer 18 anos e morar sozinha.

Coisas do destino a parte, quando eu engravidei eu estava super curiosa para saber o sexo do baby.

Resultado: MENINA. Dai o bicho pegou.

Você que não tem esse plano pronto na sua vida, deve ter passado por uma busca incansável por nomes como eu. E não pense você que existe só a sua lista de nomes. Tem a do marido, a da família, as das amigas e por aí vai.

Como eu nunca pensei nisso, nem tinha ideia de qual nome eu simpatizava. Comecei a ler em sites, ler os créditos finais dos filmes (sabia que isso serviria para alguma coisa um dia! To brincando!!!), livros de nomes com significados, enfim.

Criei uma lista:

  • Nina
  • Alice
  • Letícia
  • Clara
  • E acho que só lembro desses agora.

Os finalistas eram os dois primeiros. Até que levei o assunto para um almoço de domingo com toda a família reunida.

Escutei tanta besteira…que Nina era nome de cachorro, que era apelido e não nome…Alice? Alice no País das maravilhas…Foi um almoço um pouco frustrante.

Até que um dia, marido veio com uma opção. Beatriz.

Uhm…Bonito, pequeno, fácil de escrever, fácil de falar, achei até chique na hora!

Gostei de cara. Esse nome deveria estar na minha lista, mas com certeza por volta da vigésima posição. Como eram tantas opções, nem lembrava mais dele.

Volta para a família votar. Nome aprovado!

E hoje quando eu olho para ela, sei que não poderia ter escolhido nome melhor!

Mas não nego…fiquei com um medo louco de escolher um nome para a minha filha! Que responsabilidade! Tanta gente por aí que odeia o nome. Tratam isso até em terapia. Não queria que a minha filha me culpasse depois!

Então, segue uma sugestão para você. Algumas dicas para ver se você realmente vai gostar do nome que escolheu para o seu filho:

  1. Escreva no papel o nome completo do seu filho. Você gosta de como ele fica? Imagina como seria ler esse nome em algum lugar.
  2. Fale em voz alta o nome completo escolhido. Como você se sentiria ao escutar o nome? Se imagine no consultório de um pediatra e a secretária chamasse o nome dele. Você gosta do que ouviu?
  3. Pense nos apelidos. Geralmente os homens são bons nisso. Eles tem o poder de pensar nos apelidos mais toscos do mundo. Tenho certeza que todo marido tem um amigo com um apelido esquisito.
  4. Alguém famoso ou conhecido que tenha uma má reputação ou que você não goste? Pode parecer brincadeira, mas isso da uma desanimada se é o mesmo nome de alguém que você não goste.
  5. Considere um nome que a criança não vai precisar ficar soletrando para todo mundo. Imagina ela no parquinho se apresentando….Tem que ser um nome pelo menos que ela consiga falar!

 

Boa sorte com a sua escolha!! E depois passe aqui para nos contar como foi a sua experiência!

Carol Baldin assinatura

escrito por Fernanda
2 Comentários / Compartilhe:
Tags: , , , , ,