10 dez 2015

ponta de estoqueEm períodos em que o corpo se transforma muito rápido e as roupas se perdem na mesma

velocidade, não é muito inteligente investir nas peças mais caras.

Por isso, os outlets/pontas de estoque podem ser uma ótima opção para as mães – tanto para

as ainda grávidas quanto para quem quer comprar roupas para os filhos em fase de

crescimento. Porém, ainda vale tomar cuidado pra garantir que as escolhas realmente são

boas.

Qualidade das peças

A primeira coisa que vale considerar é que embora a ideia principal seja de liquidar coleções

passadas, muitas dessas lojas carregam aquelas peças com pequenos defeitos. Às vezes, é um

botão que ficou mal arrematado, mas é importante ficar esperta porque a peça pode ter ido

parar ali por um erro de modelagem ou algum outro problema mais grave (como uma

camiseta que teve dois pedaços de costas costurados e nenhuma frente, por exemplo).

O jeito é revirar a peça pra ver se as costuras estão ok, olhar muito bem pro caimento no seu

corpo, ver se a modelagem não está esquisita em nenhum pedaço, se a cor não vai desbotar e

por aí vai. Se em loja normal a gente já corre o risco de encontrar esses defeitos, na ponta de

estoque o cuidado é redobrado.

Ainda assim, se você encontrar algum defeitinho, não descarte imediatamente.

Considere o tempo e o custo que isso requer para ser arrumado e embuta no valor da peça –

no caso do botão, por exemplo, você faz sozinha em 5 minutos, mas tem coisas que precisam

parar na costureira e requerem um investimento mais alto.

A Becky Bloom interior

Você chega lá e vê uma blusinha baratinha aqui… Aquele macacãozinho que você estava

namorando, agora tá com 70% de desconto ali e, quando vê, já tem tanto cabide na mão que

você e a sua família inteira poderiam passar os próximos 20 anos sem entrar em uma loja.

Mas, né… A ideia de procurar o outlet nesse caso específico é justamente porque o corpo vai

se transformar e as peças vão deixar de servir loguinho, loguinho. Então respira fundo e avalia:

por quantos meses essa peça ainda serviria?

Quantas vezes daria pra usar essa peça por mês? Multiplique um pelo outro e divida o preço

da peça por esse resultado. Faça isso com todas as peças que gostou. Na hora da dúvida, leve

aquelas que tem um custo/uso mais competitivo.

Uma boa compra é aquela que a gente vai usar tantas vezes que o custo se paga.

Érica Minchin assinatura post

escrito por Fernanda
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: ,
29 set 2015
http://www.nickisdiapers.com/

http://www.nickisdiapers.com/

Algumas mamães acham extremamente difícil manter o estilo depois que a criança nasce – não só pela falta de tempo, mas também porque algumas escolhas não são nada práticas e até podem prejudicar a criança. Manter o estilo quando se tem uma criança pequena pode não ser tão fácil, mas não precisa ser tão difícil se você tiver 2 recomendações em mente:

A primeira coisa a incluir no armário são as malhas e tecidos feitos com fibras naturais. Estes são ótimos porque além de bonitos e confortáveis não só não estimulam mais a transpiração como permitem que o ar circule com mais facilidade, o que é ainda mais útil nesses tempos quentes que se aproximam e irritam as peles dos bebês. Peças de fibras sintéticas ou artificiais podem aquecer ainda mais o corpo e causar desconforto para a mãe e para a criança no momento da amamentação ou em qualquer atividade em que fique no colo.

No inverno, vale brincar com a mistura de elementos informais e mais arrumados. Por exemplo, o moletom confortável (que não só permite a mobilidade, como não arranha a criança com arestas criadas por costuras duras) pode ficar muito mais elegante quando em uma modelagem de blazer e misturado com peças de materiais mais bacanas, além de ser mais prático para amamentar do que um blusão fechado.

Os colares e pulseiras cheios de correntes e balangandãs podem atrapalhar a amamentação, machucar as crianças e, quando mais ativas, atrair a atenção de dedinhos curiosos que irão rompê-los.

O que não quer dizer que você precisa sair por aí sem acessório nenhum. Uma excelente alternativa são os colares-mordedores. Em modelos coloridos, material especialmente desenvolvido para que as crianças possam brincar e morder (com a supervisão da mãe) e fechos que não arrebentam, deixam o look alegre e ainda aproximam e entretêm a criança.

Mas não é porque ao acessório é também funcional que perde o seu propósito de deixar o look mais bonito. Na hora de combinar, vale considerar as cores das outras peças e o formato do decote para escolher o modelo mais apropriado. Inclusive, vale misturar peças diferentes para animar aqueles looks mais básicos e minimalistas comuns no armário de quem está passando por uma série de transformações no corpo e não quer investir em um armário muito diferente a cada mês.

Érica Minchin assinatura post

escrito por Érica Minchin
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: , ,