22 ago 2017

Durante os dois primeiros anos de vida, é importantíssimo que se converse com o bebê, seja durante uma troca de fraldas, durante o banho, ou mesmo naquele momento do colinho, pois é por meio dessa conversa que o bebê vai começar a identificar sons, vozes, emoções, e adquirir o primeiro repertório de seu vocabulário.

Outro incentivo essencial nos dois primeiros anos de vida é o oferecimento de objetos com formas, cores e texturas variadas, para que a criança possa tocar, sentir, manipular, e dessa forma aprimorar sua fase sensório-motora e desenvolver os cinco sentidos.

O bebê precisa ser tocado para começar a se reconhecer como corpo e desenvolver a memória afetiva.

O engatinhar é outra atividade muito importante, pois auxilia no domínio da postura ereta e do andar, além de possibilitar o fortalecimento de músculos necessários para futuras atividades motoras finas, como desenhar e escrever.

Nos meus muitos anos como professora, e na minha tão sonhada função de mãe, sempre ofereci livros às crianças com quem trabalhei e à minha filha… Contar histórias para crianças pequenas, mesmo que elas ainda não entendam reforça os vínculos afetivos com os pais, estimula o desenvolvimento da linguagem, aumenta o vocabulário, além de começar a criar o hábito e prazer da leitura.

A criança precisa, desde pequena, experimentar o mundo de forma livre para se desenvolver. Precisa cair, levantar, tocar, sentir, se sujar, engatinhar, pegar objetos… precisa ser criança na sua verdadeira essência.

No meu próximo artigo, falarei um pouquinho sobre a próxima fase, dos 3 aos 4 anos. Até lá!

escrito por Betina Susskind Kempenich
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: ,
24 jul 2017

Hoje temos o prazer de ter uma nova convidada para falar da Importância do brincar na infância, a Betina Susskind Kempenich.

Betina é pedagoga, com diversos cursos voltados à educação emocional, familiar, oficinas de aprendizagem, acompanhamento terapêutico e alfabetização. Possui 18 anos de experiência como professora de educação infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental.

Atualmente, ela é proprietária da Malinha Criativa (www.malinhacriativa.com.br), uma nova proposta que visa entreter, acompanhar e estimular cada criança no seu próprio ritmo, na residência ou local onde a criança esteja.

Imagem: Pixabay

A importância do brincar na infância

Como é bom brincar… Quem não se lembra das brincadeiras de quando era criança? O futebol de rua, a brincadeira de casinha com a prima em um encontro de família, o pega-pega no recreio da escola… Aquele quebra-cabeça difícil de montar, mas que era um ótimo pretexto para os pais sentarem juntos com seus filhos em uma manhã de domingo!

Até hoje, muitas pessoas acreditam que o brincar é só uma forma de passar o tempo. Mas é muito mais que isso. É por meio do brincar que ocorre o desenvolvimento infantil. Brincando, a criança aprende, com tentativas e erros, a sentir, tocar, experimentar, ver e ouvir o mundo real ao seu redor. Brincando, ela aprende lições, lida com frustrações, regras, e adquire habilidades impossíveis de se obter na frente de um tablet ou de uma televisão.

A brincadeira não só promove o desenvolvimento cognitivo e emocional, como também o desenvolvimento físico. Os pediatras recomendam pelo menos uma hora de atividade física todos os dias. Claro que existe a natação, o balé, etc.. Mas por que não correr em um parque, subir em uma árvore, pular corda, andar de bicicleta,… Enfim, pular, se sujar, cantar, ser feliz! Esse é o bom de ser criança!

A brincadeira na infância promove algo muito importante para o futuro de cada criança: a construção da memória afetiva que permanece até a vida adulta. Aquela saudade que bate quando olhamos nossos filhos brincarem na casa da avó, na rua onde nascemos, na praia onde fizemos tantos castelinhos e – por que não? – o cheiro de bolo de chocolate e a meleca divertida de se raspar o tacho!

As habilidades sociais também são construídas por meio da brincadeira. As crianças que mais brincam são mais propensas a falar com outras crianças, a aumentar o repertório, criar novas brincadeiras juntas e formar novas amizades, enquanto tão se divertindo e compartilhando experiências. Essas interações são ótimas para vencer a timidez, desenvolver as habilidades sociais e construir sua autoconfiança.

Brincar não é perda de tempo! Brincar na infância constrói o indivíduo para o futuro. Brincar faz bem! Brincar não requer o último lançamento da loja de brinquedos, brincar requer ser criança… e ser feliz!

 

escrito por Betina Susskind Kempenich
1 Comentário / Compartilhe:
Tags: , , ,