04 jun 2015
Foto: Amanda Costa

Foto: Amanda Costa

Hoje vou falar sobre um assunto delicado: amamentação.

Lembrando vocês que além de ser mãe e já ter vivido isso, sou doula pós parto (com conhecimentos básicos sobre a amamentação) e não sou médica nem especialista no assunto, ok?

Eu sempre escutava falar que amamentar o seu filho era um momento mágico. Era um momento de cumplicidade entre mãe e filho incrível.

Mas também lembro de muita mulher falando que o bico quase caiu, que amamentava mordendo uma fralda de tanta dor que sentia, e claro, as “fora da curva”, que não sentiam nada.

Eu gosto de ser bem realista com as coisas. Quem acompanha os meus post sabe disso.

Então, amiga, amamentar não é fácil. Pode ter certeza que no começo você vai se perguntar porque a sua experiência não é igual às das fotos que você vê por ai.

Cada pessoa tem uma experiência diferente. Mas de qualquer maneira, mesmo no começo sendo difícil, depois que engata, é fantástico. Só precisa de paciência e determinação!

Algumas mulheres perguntam como elas podem preparar o seio para a amamentação. Estão preparadas para ler? Então senta….NÃO SE FAZ NADA COM O PEITO. Nem esfregar esponja natural, nem passar limão, nem dada. Deixa seu peito em paz.

Quando o bebê nasce, a maioria das mulheres reclamam da dor e das fissuras no seio.

Um dos motivos de tanta dor, pode ser a pega incorreta. O bebê mama a auréola, e não o bico. Quanto mais ele envolver com a boca a auréola, melhor.

A pega certa, como dizem, o bebê fica com a boca como se fosse um “peixinho” e a língua encosta no lábio inferior e fica curvada.

Mesmo assim, com certeza vai doer um pouco o tanto de estímulo que o seu seio está recebendo. Mas não tanto.

E como faz para cuidar do seio quando começa a doer? Dica: Tome sol. Isso mesmo. Coloque os peitos para fora e vá para a janela, quintal…o que quiser.

Aqui em casa foi sem pudor mesmo. O negócio doía tanto, que eu nem ligava que o porteiro poderia estar vendo os meus peitos pela câmera de segurança. Eu falava para o meu marido: quem nunca viu, não sabe o que é! Quem já viu, não se assusta mais!

Posso falar? Melhor coisa do mundo!

Além disso, usei muito pads de gel. Eles substituem o protetor de seio, a pomada de lanolina (que sinceramente, faz uma meleca) e podem ir a geladeira. Vocês não têm ideia do prazer que é colocar aquele pad geladinho no peito depois de amamentar. É fantástico!

Outra coisa que ajuda também, é o uso da concha. A concha deixa o seio “respirar”, sem encostar em nada. Isso ajuda muito na cicatrização. Atenção: Não durma com a concha, ok? Pode te machucar seriamente! Ah, e TEM que esterilizar sempre, ok?

Como falei antes, essa dor passa. É uma questão de tempo. E de cicatrização.

Algumas mulheres sofrem também com a produção de leite.

Tem mulher que produz muito, e o bebê não da conta de mamar.

Isso pode deixar a mama dura, com o que chamamos de “empedramento” do leite.

O leite muda de estado. Fica parecido com um gel, e não permite que o leite saia. Para ajudar, recomenda-se tentar tirar o leite (ordenha manual ou com a bombinha elétrica) e usar compressas de água quente, para ajudar o leite e sair.

Quando o leite sair, faça compressas de água fria, para o leite parar.

Em casos que a mulher produz pouco leite,  o ideal é estimular com compressas quentes e com a bombinha.

Quanto mais estímulo, mais leite o corpo produz.

Além disso, muito descanso, alimentação e líquidos.

Uma coisa importante que preciso falar: Não se empresta bomba de leite. O leite tem propriedades igual ao do sangue, e se a pessoa tiver alguma doença transmissível por sangue, pode passar para o seu bebê.

Recomenda-se esterilizar bem (não adianta passar na água quente ou no esterilizador de micro ondas) com técnicas de autoclave antes de usar.

Isso não descarta o fato de você emprestar para uma amiga muito querida, ou alguém da família. Acho importante vocês saberem isso, para não pegar a bomba de qualquer um.

Mas…como vou saber se estou produzindo pouco leite?

Se o recém nascido ganhar menos que 20g por dia ou fizer menos que 6 a 8 xixis por dia, significa que ele que não está ganhando peso suficiente e com isso, o pediatra vai sugerir alguma coisa para aumentar seu leite ou iniciar com o complemento (fórmulas).

Sem crises se isso acontecer. Pense no seu bebê. O importante é ele estar saudável.

Não é porque ele vai começar com o complemento que você não vai poder mais ter o seu momento amamentar. Você pode continuar sim curtindo o seu momento. E inclusive, outras pessoas queridas podem participar, como o seu marido!

Espero de coração ter passado alguma informação útil para vocês.

Por experiência própria, vejo que nos faltam informações. E elas são muito importantes, principalmente para as famílias que esperam o primeiro filho.

Conte comigo se tiver alguma dúvida!

Carol Baldin assinatura

escrito por Carol Baldin
2 Comentários / Compartilhe:
Tags: ,
02 jun 2015

 

Hoje, com muito orgulho, dou início às colunas no Blog da Mãe Coruja. Estou feliz e agradecida em poder trocar ideias sobre a maternidade e alimentação infantil.

Escolhi começar do início: Leite Materno.

a comida da mae

Esse líquido preciso que sai de nós, mães, e alimenta nossos filhos em nutrientes, imunidade, aconchego e afeto. A amamentação requer cuidados e, TODOS devem contribuir para o sucesso do aleitamento. Como ajudar? pode limpar a casa, arrumar a cama ou lavar a louça. Ah, e a ajuda pode ser também não “opinar” sem conhecimento. Isso mesmo, a mãe está fragilizada e qualquer informação errada ou sem base científica pode colocar em risco a continuidade da amamentação. E, uma das questões mais polêmicas que geram maior números de “dicas” e “opiniões” é sobre o que a mãe deve ou não comer. Pois bem, selecionei algumas dúvidas mais comuns para esclarecermos e tentar ajudar nesse momento lindo, mas que requer cuidados. Mamães e ajudantes de plantão, ATENÇÃO:

1) Quais alimentos a mulher que amamenta pode consumir?

A alimentação da puérpera não tem restrições e deve seguir as regras da alimentação saudável, incluindo todos os grupos alimentares: carboidratos (arroz, pão, batata, mandioca, etc); frutas e vegetais (banana, laranja, couve, alface, cenoura, etc); proteínas (carnes, leite e ovos); leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, etc); e óleos, gorduras e açúcares (em pequenas quantidades) e evitar alimentos industrializados ricos em sal e açúcar.

2) Tudo que a mãe come passa para o leite e faz mal ao bebê?

Todos os alimentos que a mãe ingere são metabolizados e, em parte, passam para o leite materno. No entanto, isso não significa que o alimento ingerido pela mãe necessariamente fará mal ao bebê.

3) Posso fazer dietas para emagrecer enquanto estiver amamentando?

A mulher que amamenta necessita, em média,  de 30% a mais de calorias em sua dieta. Isso significa que a produção do leite materno consome muita energia (daí a fome que sentimos) e não é necessário fazer nenhum tipo de restrição alimentar nessa fase, pois a perda de peso acontecerá naturalmente. Alem disso, uma dieta de baixa caloria pode deixar a mãe estressada e comprometer o sucesso do aleitamento materno. Não é momento para isso. Cada mulher tem um ritmo metabólico e, a amamentação, associada a uma alimentação saudável, já contribui grandemente para a perda de peso.

4) Meu bebê tem muitas cólicas. Devo excluir algum alimento?

Essa é a dúvida mais comum e, o que se sabe através das pesquisas já realizadas, é que não há nada comprovado sobre a associação de consumo de determinados alimentos pela mãe e as cólicas do bebê. No entanto, muitas mãe relatam que a retirada de algum alimento da dieta, diminui a cólica. Se seu filho chora muito com cólicas, tente tirar um alimento de cada vez e observe a reação do bebê.

5) O sabor dos alimentos passa para o leite materno?

Sim! Mas alguns sabores se perdem rapidamente no leite. De qualquer forma, essa é uma boa notícia, já que a amamentação pode contribuir para preparar a criança para as mudanças de sabores, na fase da introdução dos alimentos sólidos.

6) Cerveja preta, canjica, arroz doce e galinhada aumentam a produção do leite materno?

Não! Anote aí o que aumenta a produção de leite: a sucção, ou seja, o ato do bebê mamar, a hidratação da mãe e os fatores emocionais.

Sabe o que acontece quando a mãe toma uma cerveja? fica relaxada! Aí, a produção de leite aumenta. No entanto, no período da amamentação, o uso de bebidas alcoólicas é totalmente contra-indicado. A dica é: procure relaxar de outras formas.

7) E quando o bebê tem alergia a proteína do leite de vaca (APLV)?

Nesse caso, a mãe deve fazer a dieta de exclusão e retirar o leite de vaca e seus derivados da sua alimentação. Assim, o bebê poderá amamentar tranquilamente. Mas atenção, a APLV é diagnosticada por pediatra.

8) Posso comer chocolate?

Boa notícia! Em pequenas quantidades, sim! Veja o que o Ministério da Saúde diz sobre o chocolate na alimentação da puérpera: “Uso compatível com a amamentação. Excretado para o leite materno em pequenas quantidades. Entretanto, em consumo excessivo (mais de 450g/dia) pode causar irritabilidade ou aumento da peristalse intestinal no lactente. Esses efeitos podem ser potencializados quando este alimento é ingerido com café ou teofilina”. (Ministério da Saúde, 2010). Esclarecendo: Teofilina é um medicamento utilizado, normalmente, para asma. E, peristalse é o movimento do intestino do bebê. Ou seja, em grandes quantidades ou associado, o chocolate pode causar um desconforto abdominal no bebê.

Dica do post: Equilíbrio na alimentação e na mente.

Espero que tenha esclarecido algumas dúvidas sobre a alimentação nessa fase importante para mãe e filho. Obrigada e até o próximo post.

O que você gostaria de saber sobre alimentação infantil? Conta aí. Quem sabe sua dúvida não vira nosso próximo assunto?

Elma Monteiro

escrito por Elma Monteiro
11 Comentários / Compartilhe:
Tags: , , ,