18 jun 2015

IMG_0016

A medida que meus filhos crescem, começo a acreditar que comer bem ou mal é um habilidade que conquistamos com nossas atitudes e que definitivamente não nascemos assim.

Claro que há um elemento da personalidade da criança – as vezes teimosa, aventureira , medrosa , curiosa – mas elas também são o que nós , como pais, contribuímos. Aí é que mora o perigo: muitas vezes ajudamos o comportamento que é o grande vilão da história: os famosos “petisqueiros”.

O “petisqueiros” como gosto de chamar, são aquelas crianças que comem de tudo antes das refeições, um salgadinho, pão, iogurte, e na hora de sentar a mesa… não comem NADA!

Conhecem bem essa historia, não é?

Mas calma, não vamos nos desesperar! Isso não quer dizer que temos que nos culpar, nada disso, mas pensar em como podemos reverter essa rotina.

Muitos de nós recorremos a negociações e substituições para garantir que nossos filhos comam as refeições . O importante é que desejamos sempre que eles se alimentem bem e sejam crianças saudades e felizes.

Eu acredito que se fizermos das coisa um problema, elas se tornarão um problema. Então se seu filho não come legumes e você está constantemente implorando para que ele coma as cenouras e vagens, as chances deles crescerem brigando sobre o assunto e não provando esses alimentos serão enormes.

Mas se você encorajá-lo a experimentar novas texturas e sabores de uma maneira gostosa e espontânea, com confiança, todos ficaram felizes com a experiência.

Nossas refeições

Em nossa casa a comida é a mesma para toda a família – mesmas especiarias, temperos e ingredientes. Sempre coloco um pouco de tudo no prato deles. Comer ou não é uma opção deles. A regra principal é que eles , pelo menos, experimentem tudo que está no prato.

Se os meus filhos são exigentes ? Na verdade não, mas eles são seletivos sobre algumas coisas. O Pedro de 5 anos, não come mamão e isso desde de pequeno. E o Felipe de 1 ano e meio rejeita qualquer tipo de suco ou frutas em pedaços, só amassadas ou cozidas.

Mas não brigamos sobre o assunto “Comida” e acho que sei porque.

Sempre que posso, participo as crianças do processo, a maioria das vezes nos finais de semana. Eles ajudam na preparação da cozinha e na escolha dos ingredientes, e principalmente, sentamos juntos à mesa para apreciar a refeição. Comida é parte da vida , algo para comemorar e nos dar vitalidade e não pode ser motivo para brigas e aborrecimentos., não é ? J

Como ajudar seu filho a se apaixonar pela comida boa

Essas são algumas dicas que podem ajudar a mamães a criarem um momento gostoso e feliz durante as refeições. 

Sentar junto

Quando comemos juntos, as crianças percebem que todos estão comendo a mesma comida (um ponto super positivo). As crianças nos espelham o tempo todo, então vamos praticar nossos hábitos saudáveis de alimentação.

Leve-os para a cozinha com você

Não é garantia, mas quando as crianças colaboram, mesmo os mais novas, ficam confiantes e orgulhosas do que fizeram e passam a ter um maior envolvimento com a comida que “ela “que fez!

Um passeio na Horta

Muitas hortas proporcionam experiências bem positivas para os pequenos. Algumas deixam que eles toquem na comida na terra e até colherem uma alface do pé!

Essas lembranças vão desencadear um sentimento de diversão e de associação com a mesa de jantar . Saber de onde vem o alimento é um grande motivo para apreciar a boa comida.

Mentir pra que?

Eu não sou a favor de esconder legumes atrás do arroz ou inventar nomes engraçados para as comidas.

Os alimentos são o que são e as crianças vão gostar ou não. Cabe a nós aguçar a curiosidade delas incentivando-as a saber mais sobre aquele alimento.

Vale a pena tentar!

Relaxe

No final, a maioria das crianças vão ter uma refeição balanceada durante a semana ( claro que se você oferecer a elas J!) Então, se um dia seu filho não se alimentar bem comendo frutas e verduras, com certeza no outro ele irá comer um iogurte ou um arroz com cenoura… e tudo vai ficar bem! Não faça do momento da refeição um momento estressante pra você e pra eles.

Ofereça , Ofereça, Ofereça

Se você oferecer para seus filhos apenas macarrão com azeite e queijo ralado, isso será a única coisa que eles irão comer.

Se você deseja que seu filho amplie o paladar e o desejo por outros alimentos, dê o primeiro passo.

Prepare receitas diferentes e envolva as crianças no assunto almoço ou jantar, do tipo: sabe o que vamos ter de almoço hoje? E você sabem de onde vem esse alimento, a sua historia? Garanto que, pelo menos, o interesses será maior!!

E no final do dia…

Podemos estar cheia de energia ou exaustas depois um dia de trabalho atribulado… não importa… nós queremos, quando chegamos em casa relaxar e aproveitar um jantar gostoso com a família. Ninguém quer que esse momento seja uma batalha.

Por isso, as mudanças chegam devagar. Com o tempo e algumas mudanças você vai colher frutos muito gostosos, não tente resolver tudo em apenas uma refeição.

Deixe a comida jogar no seu time e ser a líder, o resto é um consequência muito saborosa.

Bom apetite!

Adriana de Paula Assinatura

escrito por Fernanda
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: , ,
21 maio 2015

Boas maneiras na mesa de jantar

“Mãe, por que o seu amigo chegou atrasado?”

Meu filho mais velho jogou essa pergunta durante o almoço de domingo, assim que se sentou na frente do nosso convidado. Lembro-me de tentar silenciá-lo com um olhar, e, em seguida, falar baixinho alguma coisa como: “mais tarde falamos sobre isso”

Ah, crianças. Elas certamente não nascem com boas maneiras. Cabe a nós, os pais, ensiná-los para que eles crescem e comecem a compreender o sentido de educação e diplomacia. Fatos como esses me incentivaram a  compartilhar com vocês algumas dicas de boas maneiras na hora das refeições.

Nós nos esforçamos para ensinar aos nossos filhos um  bom comportamento em torno de nossa mesa de refeição, mas, sem dúvida,  é um trabalho que requer muita paciência e perseverança.

Nosso guia prático de boas maneiras na hora das refeições são bem fáceis de ensinar, aprender e praticar regularmente.

Eles se aplicam para todas as refeições: em casa, em restaurantes, com convidados. As regras durante as refeições podem ser diferentes e é claro que isso é perfeitamente normal, pois cada um tem uma rotina e uma habito!

Conversamos sobre o assunto, achei interessante que muitos pais proíbem os cotovelos na mesa. Eu pessoalmente não tenho nenhum problema com os cotovelos, mas isso é apenas um exemplo de como temos que escolher e eleger nossas batalhas.

Então  vamos as dicas…

Sem eletrônicos (pra nós adultos) e sem brinquedos e eletrônicos (para as crianças)

Um ajudinha para aproximar a família  

Este é o primeiro passo para a família se conectar durante as refeições . Nossos filhos são o reflexo de nosso exemplo e atitude , se começarmos a praticar a boa conversa na mesa com certeza essa pratica se tornará a melhor diversão pra vocês J!

Permanecer sentado durante as refeições

Os meninos estão pulando de um lado para o outro, excitados e impacientes, podemos achar que esse comportamento é normal visto que são crianças mas quando o assunto é comer: nós nos SENTAMOS!

Temos que deixar isso muito claro para eles senão estarão  levantando para dar uma “olhadinha” na janela , brincar com o gato ou o cachorro, ou alguma outra distração a cada dois segundos.

Ficar sentado certamente vai se tornando uma prática cada vez mais fácil à medida que os filhos crescem , mas é importante sempre sinalizar esse comportamento.

O uso de talheres

Por incrível que pareça, vire e mexe lá estou eu com a mesmo frase : “Tire as mãos da sua comida!”

Claro que estamos progredindo nesse quesito, principalmente com o Pedro que é o mais velho mas o Felipe, de 1 ano e 4 meses  ainda é a exceção, como ele ainda é nosso bebê , ainda gosta de usar as mãos para se alimentar. Mas ele ADORA  usar os talheres pra se desafiar … SOZINHO!

Estimule a conversa em família

Crianças adoram uma boa conversa, cheia de assuntos divertidos, e adoram contar coisas que se passaram com elas seja na escola, no clube ou no inglês. O jantar é um momento chave para ouvi-los, e ajudar a família a compartilhar experiência… essas lembranças, com certeza, ficaram na memoria pra sempre.

Fale respeitosamente

“Por favor”, “muito obrigado” e me desculpe” as vezes são frases que falamos automaticamente , mas com certeza são hábitos adquiridos quando praticamos com frequência . Além disso, ensinem seus pequenos que as opiniões são sempre benvindas e devem ser expressadas mas de uma maneira amável. Sem gemidos altos, ou exclamações do tipo  ” ECA ” quando um prato é apresentado.

“Não é o meu favorito” é a maneira preferida da minha família para expressar o desagrado. Descubra a sua!

Mastigar com a boca fechada

E não falar enquanto estiver mastigando. Na minha casa, infelizmente nós não estamos fazendo um grande progresso nesta área (rsrs). Temos um sinal de “código” quando temos convidados para o almoço ou jantar.  Esse “código” ajuda a lembrá-lo de fechar a boca enquanto está mastigando – mas, um minuto depois, ele é apanhado na emoção de uma outra história e, gritos ….

Experimente tudo outra vez…

Se meus filhos são seletivos com alguns alimentos?

O ano passado ouvi o Pedro, de 5 anos me dizer, quando ainda tinha 4 anos: “Mamãe ainda não gosto de alface, mas quando tiver 5 anos talvez eu já goste.”

E foi isso que fizemos… um ano se passou e ele experimentou novamente a alface e adivinhe? Gostou e repetiu!

Sempre que possível, reapresente alguns legumes e frutas que seus filhos recusaram de início, você vai se surpreender como o paladar de uma criança pode mudar de um ano para o outro.

Seja grato

É importante lembrar nossos filhos que existe crianças famintas no mundo e que precisamos sempre agradecer por termos três refeições por dia. Por isso, evite a reclamação dos seus pequenos sobre o prato de comida.

Bom apetite e até a próxima!

Adriana de Paula Assinatura

escrito por Adriana de Paula
0 Comentários / Compartilhe:
Tags: , ,